segunda-feira, 24 de junho de 2013

PÁSCOA BÍBLICA OU SANTA CEIA......??????


Páscoa Bíblica ou Santa Ceia???
Justificativa: 

A proposta da visão Restauracionista é levar os fiéis a fazer a Teshuvá, Retorno às origens da Fé Patriarcal, aquela que uma vez foi entregue aos santos (ver Judas 1:3) e, sabemos que não podemos fazer uma correta Restauração na Fé se não sabermos como era o Original, assim, este artigo se propõe a mostrar mais um detalhe da Fé que uma vez foi enregue aos Santos.

Objetivos:

* Demonstrar como foi realizada a última Pêssach/Páscoa de Yeshua dentro do real contexto bíblico.

* Verificar que, um Estatuto Perpétuo não pode ser mudado por outra qualquer cerimônia.

* Elencar os passos tomados por Yeshua durante a cerimônia de Pêssach.

* Mostrar como a Qahal Nazarena (Congregação do primeiro século) continuou a celebrar a Páscoa conforme as Escrituras.

* Desmentir a farsa romana a cerca da suposta "santa missa", santa ceia ou comunhão.

Páscoa Bíblica ou Santa Ceia, qual cerimônia Yeshua deixou como Memorial da Salvação?

Introdução:

Hoje em dia, o mundo cristão celebra uma cerimônia que supostamente foi deixada pelo Mashiach de Yisrael, Yeshua, como sendo um memorial a ser celebrado regularmente em substituição a uma Santa Celebração dada pelo Eterno D'us de Yisrael ao seu Povo eleito, porém, ao pesquisarmos a fundo esta questão, verificando as raízes das duas celebrações, observamos que uma é puramente pagã e fantasiosa, enquanto que a outra é um Rouquim, Estatuto Perpétuo.

Se verificarmos todas as supostas doutrinas de dita religião Cristã que tem como sua principal representante a igreja católica apostólica romana, notamos que a maioria são oriundas do paganismo, do gnosticismo e da filosofia greco-romana, ao se passar um “pente fino” nestas doutrinas o que fica de originariamente bíblico são apenas questões sem peso doutrinário, pois a maior parte dos dogmas são estranhos a Palavra de D'us.

Este pequeno artigo vem elucidar como uma celebração dita “sagrada”, nada tem a ver com o real conceito deixados por D'us, anos antes e que prefigurava uma realidade gloriosa da salvação do homem e sua real realização na eternidade.

Este artigo também não tem o propósito de denegrir a imagem de nenhuma religião, mas apenas de se fazer uma comparação entre as crenças atuais com a Sã Doutrina exposta na Palavra de D'us.

A Páscoa Bíblica:

Muitos eruditos concordam que a vida e a história do povo de Yisrael era um espelho para a história da humanidade, o chamado, a eleição, a salvação e a redenção de Yisrael prefiguravam tudo o que Adonai iria fazer com a humanidade caída, em Bereshit/Gênesis 3:15, D'us estabelece a Teshuvá do Eterno (ver Apocalipse 14:6) ao anunciar que um Mashiach viria para resgatar a humanidade caída, assim, o homem não ficaria sem a salvação de sua alma, e para servir de modelo didático ao mundo, D'us elege um Povo pelo qual Ele ensinaria a humanidade a respeito de suas Leis, Mandamentos, Estatutos e Juízos.

A partir de então, tudo que acontece com Yisrael, seu chamado, sua libertação do cativeiro, sua eleição, suas quedas e falhas e sua salvação, serve como modelo para mostrar como D'us não apenas ama Yisrael mas o mundo inteiro (ver João 3:16), assim foi com a libertação de Yisrael do cativeiro Egípcio, que prefigurava a libertação a humanidade do cativeiro de haSatã.

A Páscoa bíblica começou quando ocorreu a última praga no Egito, na noite da morte dos primogênitos, no dia seguinte, os israelitas estariam saindo de vez do Egito, mas antes, ao pôr-do-sol que antecedia a noite da praga, Yisrael teria que celebrar uma cerimônia que ficaria para sempre na história da humanidade, assim diz a Palavra de D'us:

“Disse Adonai a Moshê e a Harão na terra do Egito:.........falai a toda a Qahal de Yiarael, dizendo: aos dez deste mês, cada um tomará para si um cordeiro, segundo a casa de seus pais, um cordeiro para cada família,.......o cordeiro será sem defeito, macho de um ano, podereis tomar um cordeiro ou um cabrito, e o guardareis até o décimo quarto dia deste mês, e toda a Qahal de Yisrael o sacrificará ao pôr-do-sol de tarde.......naquela noite, comerão a carne assada no fogo, com pães ázimos e ervas amargas a comerão......este dia vos será por MEMORIAL, e o celebrareis como solenidade ao Eterno, nas vossas gerações o celebrareis por Estatuto Perpétuo........” (Êxodo 12:1 - 28)

Assim foi estabelecida a instituição da Páscoa, Pêssach em Hebraico, que quer dizer “passagem”, pois naquela noite o anjo do Eterno passou por cima das casas dos hebreus e não os feriu, e também, os israelitas passaram da escravidão para a liberdade, não é preciso esclarecer que o cordeiro imolado na páscoa representava Yeshua, o cordeiro de D'us que tira os pecados do mundo (ver João 1:29), e este cordeiro teria que morrer exatamente numa Festa de Páscoa, para que se cumprisse tudo que a respeito dele estava escrito, e assim se cumpriu.

Quando lemos as últimas trajetórias da vida de Yeshua, mais precisamente o último dia antes de sua morte, notamos que ele mesmo mandou os seus discípulos prepararem a Sêder de Pêssach (ceia de páscoa), podemos comprovar lendo os relatos dos Evangelhos:

“Chegou o dia da Festa dos Matzôt/Pães àzimos, em que importava celebrar a Pêsach, Yeshua, pois, enviou a Pedro e João, dizendo: Ide preparar-nos a Sêder para podermos comer a Pêssach, então eles lhe perguntaram: onde queres que a preparemos?, então lhe explicou Yeshua: ao entrardes na cidade, encontrareis um homem com um cântaro de água, segui-o até a casa em que ele entrar e digam: O Rabbi manda perguntar-te, onde é o aposento no qual hei de celebrar a Pêssach com meus discípulo?, ele vos mostrará um cenáculo mobilado, ali fazei os preparativos (Lucas22:7a13)

O relato de Lucas é bem mais completo, pois pega desde a ordem dada por Yeshua, enquanto que os relatos de Mateus 26:17-19 e Marcos 14:12-16, já mostram os discípulos perguntando sobre o local da Festa e o relato de João 13:1-2 já mostra Yeshua e seus discípulos durante a Sêder de Pêssach.
O restante dos relatos nos três evangelhos sinóptico, mostram Yeshua comendo a Sêder de páscoa, em Mateus 26:26/Marcos 14:26 diz: 

“enquanto comiam, tomou Yeshua o pão, e, abençoando-o, o partiu e disse: tomai e comei, isto é o meu corpo”

Ou seja, eles estavam em plena realização da Ceia de páscoa, e não uma Ceia especial inventada na hora por Yeshua, isto é pura conjectura afirmar que seria uma “santa ceia”, agora vamos ao relato completo de Lucas, ele tira todas as dúvidas, Lucas mostra o início da Cerimônia da Sêder, inclusive a Bênção do Kidush inicial que é a bênção do primeiro cálice de vinho, que na Sêder de Pêssach são em número de três(03), os judeus tomam 3 cálices de vinho, que representam as 3 obras de D'us em nossas vidas; “Eu vos libertarei; Eu vos livrarei; Eu vos resgatarei”:

“Portanto dize aos filhos de Yisrael: Eu vos LIBERTAREI de debaixo das cargas do Egito, Eu vos LIVRAREI de sua escravidão, Eu vos RESGATAREI com braço estendido e com grande manifestação de julgamento” (Êxodo 6:6)

Yeshua poderia ter dito também: “Eu vos Libertarei de debaixo das cargas do pecado, Eu vos Livrarei da escravidão de Satã, Eu vos Resgatarei com o meu sangue precioso”, pois Yeshua deu a primeira Benção do Kidush, vamos ler passo a passo o relato de Lucas:

“Chegando a hora, pôs-se Yeshua à mesa, e com ele seus talmidim, e disse-lhes: tenho desejado ansiosamente Celebrar esta Pêssach convosco antes de meu sofrimento. Pois vos digo que, nunca mais a comerei, até que ela seja celebrada no Reino de D'us” (Lucas 22:14-16)

 
Notem que Yeshua disse que ele não comeria mais a Pêssach pois, logo após ela, ele seria morto e depois subiria ao Pai, porém declarou em alto e bom som que, somente a comeria de novo no reino de D'us, mostrando claramente que a celebração de Páscoa não iria findar ali, com a sua morte, e sim, que ele não mais a comeria com seus discípulos, mas que a Páscoa continuaria sendo celebrada pelos filhos de D'us como Memorial Eterno da Salvação, até que Yeshua retornasse outra vez para estabelecer o reino de D'us, aí sim, ele a celebraria novamente agora junto com seus escolhidos salvos na Eternidade.

E continuando o relato de Lucas, lemos que Yeshua deu a Benção do Kidush inicial, a benção do primeiro cálice de vinho:

“E tomando um Cálice, havendo dado a Benção, disse: Recebei e reparti entre vós, pois vos digo que, de agora em diante, não mais beberei do fruto da videira, até que o beba de novo no reino de D'us” (Lucas 22:17-18)

Como podemos verifica literalmente, texto a texto, Yeshua não inventou ceia nenhuma e nem criou uma nova cerimônia, no mínimo o que ele fez foi dar um novo significado Espiritual aos últimos elementos da Ceia de Páscoa, o que seria muito justo, pois uma Nova Aliança estava sendo inaugurada, assim a Festa sagrada de Páscoa estava sendo direcionada não somente ao povo de Yisrael mas a todos os crentes que viessem a crer no Messias de Yisrael, ou seja, os gentios, pois os gentios estavam nas mesmas condições em que Yisrael se encontrava quando D'us os livrou da escravidão egípcia, os gentios eram escravos de haSatã, viviam acorrentados com cadeias em seus pecados, estavam sem D'us no mundo, gemiam sem esperanças de salvação, então D'us, da mesma maneira como enviou Moisés para libertar os israelitas, D'us também enviou seu Filho, o libertador da humanidade.

A celebração da Pêssach na Congregação do primeiro século:

O apóstolo Shaul/Paulo escrevendo sua primeira carta a Congregação de Corinto, portanto uma Comunidade não judaica mas gentia, adverte sobre muitos erros que estavam sendo praticados naquela congregação primitiva, brigas e ciúmes (ver I Coríntios 3:3), litígios entre os próprios irmãos (ver I Coríntios 6:6), bebedeiras na celebração da Festa de Páscoa (ver I Coríntios 11:20-21) e um caso horrível de incesto familiar (ver I Coríntios 5:1) e seguindo este mesmo capítulo 5, Paulo começa a fazer um paralelo interessante com a Páscoa, certamente a festa de Páscoa estava bem próxima e todos sabemos que para podermos participar da Ceia Sagrada de Páscoa deve-se haver uma preparação espiritual antes, confessar pecados, orar sem cessar em fim, nunca devemos ir à Sêder
 do Senhor carregados de pecados, mas não era o caso da Congregação de Corinto e aquele grave pecado era o que mais incomodava Paulo, pois ele diz:

“E, contudo, andeis vós ensoberbecidos e não chegastes a lamentar, para que fosse retirado de vosso meio quem tamanho ultraje praticou?” (I Coríntios 5:2)

Então Paulo, lembrando um costume judaico que é feito na véspera da Páscoa que é a retirada do fermento de nossas casas, o fermento, símbolo do pecado escondido, ele diz:

“Lançai fora o velho fermento para que sejais nova massa, se de fato estais sem fermento, pois que também o Messias, o nosso Cordeiro de Páscoa já foi imolado” (I Coríntios 5:7)

Paulo está querendo dizer que, se o Messias já entrou em nossas vidas não devemos mais andar em pecados igual aos mundanos, ou seja, os crentes da Igreja de Corinto deveriam estar se preparando para a Páscoa que estava ás vésperas, e, no entanto, havia um terrível pecado no meio deles, e assim, após terem retirado o mal, ou quem cometeu o mal do meio deles, agora poderiam Celebrar a Páscoa do Senhor com a pureza de coração, como Paulo mesmo declara:

Por isso, celebremos a Festa(de Páscoa) não com o velho fermento, nem com o fermento da maldade e da malícia e sim com Pães Ázimos da sinceridade e da verdade, e não vos associeis com os impuros, como vos já escrevi” (I Coríntios 5:8-9)

Assim, vemos por meio de uma Carta de Paulo, que uma congregação primitiva e gentia também celebrava a Páscoa do Eterno, e mais adiante Paulo adverte novamente quanto a maneira como a Páscoa estava sendo celebrada, como era uma Festa, naturalmente os gentios crentes extrapolavam na comemoração, como a Ceia de Páscoa tem 3 cálices de vinho, eles exageravam na dose até ficarem completamente embriagados, o que era uma tristeza, pois o sentido real desta Festa ia por água a baixo.

É no capítulo 11:17 em diante de I Corintios que Paulo começa a dar instruções quanto a celebração correta da Sêder de Páscoa, antes porém, ele novamente repreende o mal comportamentos daqueles crentes, também pudera, eles não eram judeus, não estavam acostumados a celebrar uma festa judaica, tudo era novo para eles:

Quando pois vos reunis no mesmo lugar, não é a Sêder do Senhor que comais, pois, ao comerdes, cada um toma antecipadamente a sua ceia; e há quem venha com fome, ao passo que há quem se embriague” (I Coríntios 11:20-21)

Eles não haviam ainda entendido o real sentido da Páscoa, a Sêder não é um jantar em que vamos para encher a pança, é tudo um simbolismo espiritual, então Paulo começa as suas instruções logo da parte principal, que são os elementos simbólicos do corpo e do sangue de Yeshua:

“Porque eu recebi do Senhor o que também vos entreguei, que o Senhor Yeshua, na noite em que foi traído tomou o pão, e tendo dado a Benção, o partiu e disse: isto é o meu corpo, que é dado por vós, fazei isto em memória de mim, igualmente, depois de haver ceado tomou também o cálice, dizendo: este cálice é a nova aliança no meu sangue, fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim” (I Coríntios 11:23-25)

Paulo termina suas advertências dizendo para terem mais cuidados com as coisas de D'us, para não atraírem juízos sobre eles. Deste modo, observamos como uma mentira passada e repassada à séculos é aceita sem questionamentos, a tal “santa ceia” não expressa nem de longe o que a Santa Páscoa do Eterno representa para nós o povo do Elohim, porém a nossa maior alegria e sabermos que teremos novamente o nosso Senhor Yeshua celebrando de novo conosco a Páscoa na eternidade, pois ele mesmo prometeu.

Qual a origem da dita “santa ceia”?

Dizem que um ERRO puxa um outro ERRO, e de fato isto aconteceu, a Congregação Nazarena do primeiro século, que é a única Verdadeira pois foi restabelecida por Yeshua Notzeri e organizada por seus apóstolos, continuou fiel na doutrina dos apóstolos e profetas até meados do ano 300 E.C., o último apóstolo do Messias, João, morre por volta do ano 100 E.C., então começou uma invasão de gnósticos com filosofias pagãs na igreja, começaram a influenciar os líderes de congregações não judaicas Nazarenas, mas as gentílicas, principalmente os bispos romanos, a empolgação toma conta dos bispos romanos com a suposta conversão do imperador Constantino em 312 E.C. e a partir daí inicia uma era negra para a Congregação de D'us, os bispos romanos começam uma verdadeira demolição das doutrinas bíblicas, tudo que tinha cunho judaico foi suprimido ou abolido, as festas bíblicas, as cerimônias litúrgicas, o culto sabático, o estudo das Parashiôt (da Lei e dos Profetas), a celebração da Pêssach Bíblica que até aquele momento os crentes primitivos continuavam celebrando, pois semelhante a celebração do Shabat que foi proibido de ser celebrado no concílio de Laodicéia (364 E.C.), a Festa de Páscoa também foi proibida no concílio de Antioquia (341 E.C.), muitas doutrinas heréticas e demoníacas foram postas no lugar da Verdade, tais como imortalidade da alma, antinominismo, intercessão dos santos, trindade de deuses, a supremacia do bispo romano, o sacrifício da missa, a transubstanciação, confissão auricular, entre muitas outras heresias pagãs.

Destas heresias vamos nos deter apenas na famosa “missa” católica, segundo esta igreja, a missa é um “sacrifício” em que o padre/sacerdote realiza todas as vezes em que ele relembra a morte de Yeshua, com a doutrina da transubstanciação, o padre transforma um pedaço de pão na própria carne de Yeshua, e um cálice de vinho no sangue do Messias, assim fazendo este sacrifício, eles dizem que o sacerdote católico tem o poder de matar e ressuscitar novamente Yeshua a cada missa, esta ABERRAÇÃO é realizada até hoje.
Durante a idade média as loucuras da igreja católica estavam mais acentuadas e visíveis, as indulgências eram o meio pelo qual os bispos e papas enriqueciam ás custas da miséria e desgraça do povo, foi neste clima de revolta e descontentamento que surgiu um padre alemão chamado Martim Luther, mais conhecido como Martinho Lutero, ele rompeu com a igreja católica quando tentou reformá-la e não conseguiu, das várias doutrinas heréticas desta igreja, Lutero pegou algumas e descartou outras, entre as que ele considerou boas para serem praticadas pela sua nova religião que havia fundado, o protestantismo, estavam a imortalidade da alma, o batismo de crianças, o antinominismo, a santificação do dia do sol (domingo), o antissemitismo, a trindade, a missa, entre outras.

Quanto a missa, Lutero reformulou-a tirando os elementos rituais (transubstanciação) e deixando apenas os elementos simbólicos do corpo e sangue do Messias, assim surgiu a famosa “santa ceia” dos protestantes evangélicos, que nada mais é que uma “missa” reformulada, ou seja, continua a mesma aberração de antes, porém, disfarçada.
A medida em que as seitas protestantes se dividiam, a maneira de se celebrar a tal “santa ceia” também mudava de acordo com a denominação, em muitas denominações ela é celebrada todos os domingos, iguais as missas, em outras ela é feita de três me três meses, já em outras em ocasiões especiais, assim, quando os evangélico realizam as suas “santas ceias” eles estão na verdade realizando uma “missa”, uma cerimônia que teve origem no paganismo romano, nada tendo a ver com o ato glorioso da libertação, remissão e salvação de Yeshua contido na grande Festa instituída pelo próprio Eterno e que deve ser celebrada por todos os salvos em Yeshua, como o verdadeiro MEMORIAL da salvação de D'us.

Esta Festa Sagrada do Eterno que começou com a libertação do povo de Yisrael e se cumpriu com a libertação do pecado de todos os seres humanos por Yeshua haMashiach, continuou sendo celebrada pela Congregação Primitiva Nazarena, a igreja de D'us, pois era ordem de D'us que todos os que fossem agraciados pela libertação do Eterno que celebrasse a Páscoa a seu tempo determinado nas Escrituras, e se alguém que tenha sido salvo e liberto do pecado se recusar ou não querer celebrar a Páscoa do Eterno considerando-a abolida ou inválida, sendo que Yeshua não declarou tal coisa, antes, prometeu celebrá-la de novo no reino de D'us, esta pessoa perderá a salvação e será eliminada do meio do povo do Eterno:

“Porém, se algum homem achar-se limpo e, não estiver em viagem, e deixar de celebrara Pêsach, essa alma será ELIMINADA de meu povo......tal homem levará sobre si o seu pecado” (Números 9:13)

Conclusão: 

Este artigo foi escrito para trazer a verdade dos fatos para aqueles que realmente queiram se libertar das doutrinas heréticas da igreja romana, é verdade que fica até difícil admitir que tiveram praticando uma mentira sem saber, pois tudo que Roma fez, ela o fez para justamente enganar misturando o erro com a verdade, de uma tal maneira que pensamos que estamos fazendo a coisa mais certa para D'us, a verdade está apenas na Palavra de D'us, e a Páscoa está na Palavra do Eterno, foi instituída por Ele, confirmada por Yeshua, celebrada por seus apóstolos e sua Congregação Verdadeira, portanto, não há mais dúvidas.

Só lembrando que, qualquer coisa que ainda nos prenda a Roma, nos faz CÚMPLICES dela, qualquer doutrina, qualquer costume, qualquer dogma, ainda estaremos ligados a grande prostituta do Apocalipse, e a ordem divina é para que saiamos do meio deste paganismo, senão sofreremos as severas punições destinado a ela:

“Saiam da Babilônia e fujam do meio dos pagãos e anunciai isto com voz de júbilo, proclamai-o e levai-o até ao fim da terra, dizei: Adonai remiu a seu servo Yacov” (Isaías 48:20)

“Ouvi uma voz do Céu que dizia: Retirai-vos do meio dela, ó meu povo, para não sedes cúmplices em seus pecados e para não participardes de seus flagelos” (Apocalípse18:4)


!!!!!!!ברוך הבא בשׂם יהוה

Baruch Haba beShem Adonay!!!!!!!

Rosh: Marlon T. Troccolli

7 comentários:

  1. se der me visite:http://kehilahangradosreis.blogspot.com.br/search/label/Obras%20Judaicas%20Importantes

    ResponderExcluir
  2. Amén!!! Muito bem explicado irmão! Continue contribuindo com seus ensinos pois muitos carecem de instrução! Shalom

    ResponderExcluir
  3. Tem algo errado nisso tudo, creio que Yeshua tenha protagonizado um seder, mas não o do pascoa, pois veja se ele é o cordeiro da pascoa ele já estaria morto na páscoa. Entao essa ceia ocorreu na vespera, por isso Paulo fala "na noite em que foi traido"; nao seria muito mais facil dizer "na noite da pascoa". Ja que o seder de pascoa é tao importante para o povo judeu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o dia se inicia ao pôr do sol, logo, o Senhor Jesus comeu o Sêder à noite, dormiu e, naturalmente acordou na sexta-feira...

      Excluir
  4. Interessante , postagem explicativa ! Analisando e compartilhando sua postagem . Obrigado

    ResponderExcluir
  5. Material bastante esclarecedor,Baruch HaShem por sua vida Rosh!

    ResponderExcluir
  6. SHALOM ,estava com muita duvida em relaçao a esse assunto . tudo muito bem esclarecido .

    ResponderExcluir